quinta-feira, 7 de abril de 2016

Carta de João Calvino a Francis Daniel [1534]

CARTA 10 - PARA FRANCIS DANIEL
APOSENTADORIA DE CALVINO EM ANGOULEME
DOXOPOLIS [1534]


Sem ter nada em particular para escrever eu posso em qualquer momento bancar o fofoqueiro com você, e assim preencher uma carta. Ainda assim, porque eu deveria lançar sobre você minhas reclamações? A questão principal que, na minha opinião, é interessante o suficiente para ser comunicada a você neste momento é que eu estou bem, e levando em consideração a fraqueza do corpo e a enfermidade da qual você está ciente, também ainda estou fazendo alguns progressos no estudo. Com certeza, também, a bondade do meu patrono pode muito bem acelerar a inatividade do mais indolente indivíduo, pois é tal que compreendo claramente ser dada por causa das cartas. Por isso eu devo ainda mais empenhar-me e sinceramente esforçar-me para que eu não seja totalmente tomado pela pressão de tão generosa bondade, que de algum modo, constrange-me ao esforço. Embora, na verdade, se eu tivesse que tensionar cada nervo ao máximo, jamais conseguiria qualquer retorno adequado, ou até mesmo inadequado, tão grande é a quantidade de obrigações que eu teria que encarar. Este incentivo, portanto, deve manter-me continuamente consciente para cultivar aquelas motivações comuns do estudo, pois por causa dele um grande valor é colocado sobre de mim. Se fosse permitido desfrutar um repouso como este — a pausa, se estou a considerá-lo como meu exílio ou como minha aposentadoria, devo concluir que eu tenho sido favoravelmente bem cuidado. Mas o Senhor, por cuja providência tudo é antevisto, vai cuidar destas coisas. Eu aprendi por experiência própria que nós não podemos ver muito longe a nossa frente. Quando prometi a mim mesmo uma vida tranquila e fácil, o que eu menos esperava estava à mão; e, pelo contrário, quando pareceu-me que minha situação não podia ser tão amena, um ninho calmo foi construído para mim, além das minhas expectativas, e isso é a ação do Senhor, a quem, quando nos comprometemos, Ele mesmo cuida de nós. Mas eu já quase enchi minha página, parte com escrita, parte com a borrões. — Adeus, saúde a quem você desejar.

[Cópia latina — Biblioteca de Berna. Volume 450.]
Tradutor: Rev. Antônio dos Passos Pereira Amaral, ministro presbiteriano, pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana Filadélfia em Marabá-PA, cursando Mestrado (MDiv) em Teologia Histórica pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper/SP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro leitor, a sua opinião sobre este post é muito importante. Para boa ordem, os comentários são moderados e somente são publicados os que forem assinados e não forem ofensivos, lembrando que discordar não é ofensa. Por isso, sigo alguns critérios:
(1) Reservo-me no direito de não publicar comentários de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada, por favor, identifique-se. (2) Se quiser discordar faça-o com educação, e sem usar palavras imorais ou, ofensivas! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, não aceitarei que você ensine heresia em seu comentário, e não contribuirei para que ela seja divulgada neste espaço.

Carta de Martinho Lutero a Johannes Staupitz [9 Fevereiro de 1521]

Ao reverendo e ótimo Johannes Staupitz, mestre na sagrada teologia, agostiniano ermitão, do seu progênito no Senhor. Saúde. Admira-me que ...