terça-feira, 15 de maio de 2018

Sobre o hábito de embreagar dos alemães

Lutero disse: "Amanhã eu tenho que dar uma palestra sobre a embriaguez de Noé [Gn 9: 20-27], então eu devo beber o suficiente esta noite para poder falar sobre a maldade como alguém que sabe por experiência."

O Dr. Cordatus [seu convidado] disse: "De maneira nenhuma, você deveria fazer o oposto!"

Para isso, Lutero respondeu: "É preciso fazer o melhor dos vícios que são peculiares a cada terra. Os boêmios empanturram-se, os Wendes [colonos eslavos na Saxônia] roubam e os alemães bebem avidamente sem parar. Como você superaria um alemão, querido Cordatus, exceto deixando-o bêbado - especialmente um alemão que não ama música e mulheres?"

LW rol. 54, no. 3476.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro leitor, a sua opinião sobre este post é muito importante. Para boa ordem, os comentários são moderados e somente são publicados os que forem assinados e não forem ofensivos, lembrando que discordar não é ofensa. Por isso, sigo alguns critérios:
(1) Reservo-me no direito de não publicar comentários de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada, por favor, identifique-se. (2) Se quiser discordar faça-o com educação, e sem usar palavras imorais ou, ofensivas! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, não aceitarei que você ensine heresia em seu comentário, e não contribuirei para que ela seja divulgada neste espaço.

Carta de Martinho Lutero a Johannes Staupitz [9 Fevereiro de 1521]

Ao reverendo e ótimo Johannes Staupitz, mestre na sagrada teologia, agostiniano ermitão, do seu progênito no Senhor. Saúde. Admira-me que ...