sábado, 30 de dezembro de 2017

Capítulo XIII - O regulamento das cerimônias

Uma terceira coisa comum nas cerimônias dos cristãos é o arranjo e regulação das formas de adoração entre as santas congregações de Cristo, como o ministério da Palavra, os sacramentos, a disciplina de Cristo, as orações e os salmos para que estes possam ser ministrados e comunicados a todos reverentemente, "com decência e ordem" (1 Co 14.40), para a verdadeira edificação da fé. Nessa questão, as igrejas de Cristo devem ter a sua liberdade para que cada uma possa definir o conteúdo e o método de apresentação das leituras sagradas, as interpretações das Escrituras, a catequização, a administração dos sacramentos, as orações e os salmos, e também a correção pública dos pecadores, a imposição de penas e reconciliação daqueles que satisfazem as igrejas no cumprimento das penas, tudo de tal forma que cada igreja julgue ser de maior proveito para o seu povo, de modo que, como resultado dessas atividades, eles possam ser conduzidos a um verdadeiro e vivo arrependimento, e fortalecidos e desenvolvam a fé em Cristo. No entanto, em qualquer país ou domínio da Igreja, onde as características dos homens não variam muito, essas coisas podem ser convenientemente observadas com a maior conformidade possível, não só por amor da beleza, mas também para produzir uma boa opinião das formas de culto cristão.

Martin Bucer, De Regno Christi in: Wilhelm Pauck, ed., Melanchthon and Bucer (Louisville, Westminster John Knox Press, 2006), pp. 255-256.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro leitor, a sua opinião sobre este post é muito importante. Para boa ordem, os comentários são moderados e somente são publicados os que forem assinados e não forem ofensivos, lembrando que discordar não é ofensa. Por isso, sigo alguns critérios:
(1) Reservo-me no direito de não publicar comentários de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada, por favor, identifique-se. (2) Se quiser discordar faça-o com educação, e sem usar palavras imorais ou, ofensivas! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, não aceitarei que você ensine heresia em seu comentário, e não contribuirei para que ela seja divulgada neste espaço.

Carta de Martinho Lutero a Johannes Staupitz [9 Fevereiro de 1521]

Ao reverendo e ótimo Johannes Staupitz, mestre na sagrada teologia, agostiniano ermitão, do seu progênito no Senhor. Saúde. Admira-me que ...