quarta-feira, 8 de abril de 2015

Ulrich Zwingli: uma carta ao bom povo de Appenzell [1526]

Em vários lugares Zwingli despreocupadamente se referiu a Appenzell como um ninho de atividade anabatista. Embora necessariamente não estivesse incorreta a sua acusação causou um pouco de contenda (mesmo ele nunca tendo, francamente, acusado o governo da cidade de quaisquer simpatias com os anabatistas). Então, numa tentativa de esclarecer os fatos, em 12 de fevereiro de 1526, ele escreveu:[1]

"Graça e paz da parte de Deus para vocês, respeitados, honrados, sábios, clementes, graciosos e amados Mestres: um caso extremamente infeliz aconteceu comigo, em que fui acusado publicamente diante de suas reuniões de adoração, ter insultado com palavras indecorosas e, se diga com todo o respeito, de ter chamado vocês de hereges, meus graciosos governantes do Estado.

Estou tão longe de aplicar esse nome a vocês, que eu deveria em breve, pensar em chamar o céu de inferno. Por toda a minha vida eu tenho pensado e falado de vocês em termos elogiosos e honra, senhores de Abtzell, como o faço agora, e, como Deus me favorece, deverei fazer até ao fim dos meus dias.

Mas não aconteceu há muito tempo, quando eu estava pregando contra os Catabatistas[2] que eu usei essas palavras: 'os Catabatistas estão agora a fazer tanto mal aos honestos cidadãos de Abtzell e estão mostrando tão grande insolência, que nada poderia ser mais infame.’ Vocês podem perceber, gentis senhores, com que modéstia eu os tenho em consideração, porque os Catabatistas turbulentos lhes causaram tantos problemas. Na verdade, eu suspeito que os Catabatistas são as mesmas pessoas que criaram este sermão contra mim em circulação entre vocês, pois eles fazem muitas destas coisas que não os tornam verdadeiros cristãos. Portanto, gentis e sábios senhores, peço mais sinceramente que vocês tenham me desculpado ante toda a comunidade, e, se for o caso, que vocês leiam esta carta em assembleia pública.

Senhores, eu lhes garanto, em nome de Deus, o nosso Salvador, nestes tempos perigosos que nunca vocês estiveram fora de meus pensamentos e minha solícita ansiedade; e se de alguma forma eu serei capaz de servir a vocês, que eu não poupe esforços para fazê-lo. Além do fato de que eu nunca usei esses termos, mesmo contra os meus inimigos, deixe-me dizer que nunca entrou na minha mente a aplicação de tais epítetos insultuosos a vocês, meus senhores piedosos e sábios.

Seja isto suficiente. Que Deus vos conserve em segurança, e que Ele possa colocar um freio nessas falsidades desenfreadas que estão sendo espalhadas por toda parte, o que é uma evidência de alguns grandes perigos - e que Ele possa realizar seus cultos e o completo estado na verdadeira fé em Cristo! Receba esta minha carta como boa parte, pois eu não poderia sofrer assim, com base numa falsidade contra mim, sem que desmentisse esta acusação.”


NOTAS:
[1] O texto original alemão foi traduzido por S.M. Jackson: Gnad und frid von gott. Hochgeachte, ersame, wysen, gnädige, günstige lieben herren Es kumpt mir eigenlich für, wie ich vor üwer wysheit offenlich gescholten sye, als ob ich uch, mine gnädigen herren gemeins lands, bescholten habe mit etwas ungeschickten worten und urloub vor üwer eer kätzer genempt hab, welchs als verr vor mir ist, als das ich geredt hab, die hell sye der himel. Ich hab all min läbtag herlich und erlich von uch minen herren von Abtzell geredt und gehalten, und noch hüt bi tag und, ob gott wil, bis in minen tod. Es hat sich aber in vergangner zyt begeben, do ich wider die widertöuffer gepredget, also geredt hab: “Die widertöuffer gebend ietz den biderben lúten zuo Abtzell so vil muey und arbeit ze schaffen und tribend so vil muotwillens, das ‘s ein spott ist”. Sehend, gnädigen herren, mit was zucht ich erbermd hab mit üwer wysheit gehebt, das úch die verwirrigen töuffer so vil unruowen gestattend. Aber ich zwyfel eigenlich, das mir die widertöuffer selb sölchen lümbden by úch ufgeblasen habind; dann sy tuond der dingen vil, die christenen warhaften menschen nit wol anstond. Hierumb, gnädige wyse herren, wellend mich umb gotzwillen vor gantzer gemeind verantwurt haben und, hatt es fuog, ouch disen brief vor gantzer gemeind vorlesen lassen; dann ich by gott, der üns alle erlöst hatt, sag, das ir mir uss miner sorg und angst in disen gevarlichen zyten nimmer kumend; und wo ich úch für andre yenen gedienen könd, wölt ich mich nit sparen. Darzuo hab ich minen fygenden all min tag nie sölichs zuogeredt, was wolt ich denn úch frommen wysen herren und ein gantze biderbe gemeind mit sölcher unghander red beladen? Nit me denn: sind gott bevolhen; der welle üns sölcher fräfnen lügen abhelffen, die allenthalb werdend fürggeben, das doch ein gwüss zeichen ist einer großen gevar, und üwer wisheit sampt gantzer gemeind in warem christenem glouben behalten. Derstond min schryben imm besten; dann ich sölchen unerberen lug nit hab mögen uff mir ligen lassen. Geben z’ Zürich xij. tags Hornungs M.D. xxvj. Üwer wysheit williger Huldrych Zuingli. Den frommen, fürsichtigen, ersamen, wysen amman, radt und gantzer gemeind zuo Abbtzell, sinen gnädigen, günstigen, lieben herren.
[2] Catabatistas é outro termo usado por Zwingli para os anabatistas.


Extraído de https://zwingliusredivivus.wordpress.com/2015/02/12/today-with-zwingli-a-letter-to-the-good-people-of-appenzell/

Traduzido por Rev. Ewerton B. Tokashiki em 8 de Abril de 2015.
Pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Porto Velho
Professor de Teologia Sistemática

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro leitor, a sua opinião sobre este post é muito importante. Para boa ordem, os comentários são moderados e somente são publicados os que forem assinados e não forem ofensivos, lembrando que discordar não é ofensa. Por isso, sigo alguns critérios:
(1) Reservo-me no direito de não publicar comentários de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada, por favor, identifique-se. (2) Se quiser discordar faça-o com educação, e sem usar palavras imorais ou, ofensivas! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, não aceitarei que você ensine heresia em seu comentário, e não contribuirei para que ela seja divulgada neste espaço.

Carta de Martinho Lutero a Johannes Staupitz [9 Fevereiro de 1521]

Ao reverendo e ótimo Johannes Staupitz, mestre na sagrada teologia, agostiniano ermitão, do seu progênito no Senhor. Saúde. Admira-me que ...