sexta-feira, 25 de abril de 2014

Carta de João Calvino a Francis Daniel [1529]

CARTA 3 - PARA FRANCIS DANIEL


AGRADECIMENTOS A FRANCIS DANIEL — SAUDAÇÕES A MELCHIOR WOLMAR — VÁRIAS MENSAGENS

MEAUX, 6 de Setembro de 1529

Devo-te agradecimentos por não ter poupado esforços para cuidar de nossos assuntos, o que não deixarei passar despercebido quando tiver oportunidade. Pois penso que o que vai acontecer é que pelo menos eu possa ser capaz de pagar um favor como este, e não somente que o meu nome seja retirado do seu diário contábil; e mais que isso, que seja difícil encontrar uma única página que conste meu nome como seu devedor. Mas se você acha que eu valho dinheiro, faço de mim mesmo o pagamento, com a costumeira condição legal, de que tudo que é meu siga junto com a aquisição. Você precisa compreender, além disso, que foi a brecha aberta para a nossa descarada solicitação, enquanto você deu sua ajuda pronta e pontual, para que deste modo possamos ser no futuro nada mais que negociadores sem nada do que envergonhar, esquecendo se somos ou não capazes de quitar nossos débitos, para que você não conceda benefícios dos quais você poderá transformar em ganho, mas conceda gratuitamente seus favores. Nesse interim, no entanto, vou tomar o cuidado de que a adega esteja bem guarnecida de vinho, se eu vir que isso será de vantagem para nós, para que você não venha a supor que alguma coisa tenha sido realizada de última hora. Talvez, de uma forma indireta, pareça que eu esteja pedindo dinheiro, mas não me interprete indelicadamente ou me censure indiretamente, a menos que, como você está acostumado, seja em tom de brincadeira. Você se mostrou viril ao se comportar com tanta firmeza com o indolente Maecenas; uma vez que ele não pode no momento adequar seus modos a nós, deixe-o ser o seu recompensador e, inflado e pomposo, deixe-o cuidar de suas próprias ambições. Eu invejo Fusius, o astrólogo. Devolvo seu livro de mapas, que, com Lampridius, podemos marcar o itinerário, e no grego hodoiporiken,[1] eu não acrescento agradecimentos, porque palavras não podem fazer jus ao seu mérito. Você pode dar minhas lembranças a Melchior[2] se ele ainda estiver com você, para Sucquet e Pigney, e também ao nosso amigo Curterius? Pode dizer ao Sucquet, que eu tenho ocasião para usar a Odisséia de Homero que eu o havia emprestado? E quando você o tiver em mãos, mantenha-o em sua posse, a menos que de fato Ronsart que costumava te levar minhas cartas, a quem eu tinha confiado esta responsabilidade, tenha feito antes. - Adeus, meu querido amigo, meu distinto.

[Cópia Latina - Biblioteca de Berna. Volume 450]
Extraído de Letters 1528-1545 - Selected Works of John Calvin (Albany, Ages Software, 1998), vol. 4, pp. 33-34.
Tradução em 25 de Abril de 2014.


NOTAS:
[1] A palavra grega citada por Calvino significa "viagem".
[2] Melchior Wolmar foi professor de grego de Calvino na Universidade de Bourges e o preceptor de Theodore Beza. Ele foi convidado pelo Duque de Wurtemberg para a Docência de Direito na Universidade de Tubingen. Em 1561 morreu retirado em Eisenach. Calvino dedicou-lhe em 1 Agosto de 1546 o seu Comentário da Segunda Epístola aos Corintos. Nota de Ewerton B. Tokashiki.

Tradutor: Rev. Antônio dos Passos Pereira Amaral, ministro presbiteriano, pastor efetivo na Igreja Presbiteriana de Lagoa Santa; professor de teologia e hermenêutica na Escola Bíblica Central do Brasil/Lagoa Santa-MG; Bacharel em Teologia e Missiologia pela Escola Superior de Teologia e Estudos Transculturais/Montes Claros-MG (2003), Bacharel em Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie/São Paulo-SP (2013), cursando Mestrado (MDiv) em Teologia Histórica pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper/SP.

Revisado por Rev. Ewerton B. Tokashiki
Pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Porto Velho
Professor de Teologia Sistemática no SPBC-RO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro leitor, a sua opinião sobre este post é muito importante. Para boa ordem, os comentários são moderados e somente são publicados os que forem assinados e não forem ofensivos, lembrando que discordar não é ofensa. Por isso, sigo alguns critérios:
(1) Reservo-me no direito de não publicar comentários de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada, por favor, identifique-se. (2) Se quiser discordar faça-o com educação, e sem usar palavras imorais ou, ofensivas! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, não aceitarei que você ensine heresia em seu comentário, e não contribuirei para que ela seja divulgada neste espaço.

Carta de Martinho Lutero a Johannes Staupitz [9 Fevereiro de 1521]

Ao reverendo e ótimo Johannes Staupitz, mestre na sagrada teologia, agostiniano ermitão, do seu progênito no Senhor. Saúde. Admira-me que ...